Educação, um panorama de 2012

jan 2, 2013 by     No Comments    Posted under: Notícias

Mais um ano termina. Momento de reflexão e análise dos projetos e planos que tínhamos no começo de 2012. O resultado do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de 2011 revelou alguns aspectos das dificuldades que ainda são encontradas na formação do aluno do Ensino Médio: 80% deles estão na rede pública e apenas algumas escolas são ilhas de excelência, por terem processos seletivos para o ingresso, currículo diferenciado, carga horária maior e professores com tempo de dedicação integral a uma única instituição.

Em São Paulo, o governo estadual vem investindo na for

mação técnica como opção para a entrada mais rápida no mercado de trabalho, garantindo a formação de mão de obra especializada e oferecendo ao jovem a alternativa de currículo mais direcionado já no Ensino Médio. Um bom caminho para quem precisa trabalhar ou deseja se aproximar de alguma área para aprimorar os conhecimentos. Mas uma coisa é certa: quem sonha com o ingresso na universidade pública de qualidade precisa se preparar para o vestibular e fazer Ensino Médio regular de qualidade.

A concorrência tem aumentado, especialmente após a aprovação da lei das cotas nas

universidades públicas. Quem está nessa corrida precisa de preparo: tempo e esforço para se destacar, como em qualquer profissão. Ser estudante é uma profissão em que o resultado do esforço é fruto do tempo que se dedica a essa tarefa. Creio que a consolidação do modelo do Enem poderá trazer mais benefícios para os candidatos e se tornar exame ainda mais confiável e aceito nacionalmente. Essa pode ser uma saída para democratizar a entrada no Ensino Superior.

Aos estudantes: as dificuldades não estão apenas no ingresso. Atualmente percebemos movimento muito maior de

qualificar os universitários ao final da formação. O Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) realizou pela primeira vez, neste ano, o Exame do Cremesp obrigatório a todos os formandos de medicina.

Esse é um novo desafio também para as faculdades, que deverão implantar processos de aprendizagem mais significativos e avaliações ao longo da formação mais rigorosas.

São esses os desafios para 2013: melhorar o acesso e garantir qualidade na formação dos estudantes, que serão os futuros profissionais.

Fonte: Diário do Grande ABC
Data:  02/01/2013

Deixe uma resposta

Newsletter

E-mail:

Inscrever
Desinscrever

Publicidade