Anhanguera vai frear aquisições em 2013

dez 15, 2012 by     No Comments    Posted under: Gestão Educacional

Empresa de educação, que ‘digeriu’ negócio com a Uniban em 2012, separou só R$ 40 milhões para compras no próximo ano

Depois de incorporar a Uniban, a previsão da Anhanguera Educacional é pôr o pé no freio das aquisições no próximo ano. A ordem da companhia é fazer compras “seletivas”, que consumirão no máximo R$ 40 milhões. Só a compra da Uniban, firmada em setembro de 2011, porém “digerida” ao longo de 2012, exigiu um desembolso de R$ 510 milhões da companhia

“(O valor separado para aquisições) é pequeno para o nosso padrão, é um trabalho muito focado. Estamos olhando para empresas com resultados positivos e em regiões estratégicas”, explica o presidente da Anhanguera Educacional, Ricardo Scavazza.

A empresa diz que existe a possibilidade de garantir a expansão orgânica, uma vez é dona de bandeiras populares de ensino, como UniABC, Anchieta e Universidade de Guarulhos. De acordo com Scavazza, agora é a hora de a empresa “explorar a capacidade” das aquisições já feitas.
Mesmo sem fazer nenhuma compra relevante, a Anhanguera Educacional acredita que será possível atingir a marca de 600 mil matriculados alunos em 2016, nos cálculos do diretor financeiro da companhia, José Augusto Teixeira. Esse número representaria alta de 39% em relação ao patamar atual, de cerca de 430 mil estudantes.
O executivo destacou o crescimento da base de alunos de aulas presenciais. A Anhanguera espera atingir uma média de 6 mil estudantes por campus.

 

“A tendência é de maturação dos 70 campus atuais”, afirmou o presidente da companhia. A perspectiva é alcançar 500 mil alunos apenas em cursos presenciais, ante os 290 mil que estavam matriculados nas diferentes instituições de ensino do grupo este ano.

Scavazza afirma ainda que pretende inaugurar novos campus fora da área geográfica de atuação da empresa. Entre as cidades em que a Anhanguera tem interesse de inaugurar novas unidades estão Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador e recife. A empresa já prevê a inauguração de uma nova faculdade em Porto Alegre em 2013.
A postura mais conservadora da Anhanguera se justificativa pelo objetivo de reduzir o nível de endividamento para até uma vez a razão de dívida líquida sobre o Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização). Atualmente o nível é de duas vezes o Ebitda, número considerado saudável, mas que a empresa quer diminuir. “Somos conservadores”, diz o presidente da empresa.
Segundo Scavazza, a Anhanguera veio diminuindo sua dívida líquida ao longo dos trimestres. Os débitos ficaram em R$ 627 milhões no terceiro trimestre. O Ebitda de janeiro a setembro foi de R$ 270,5 milhões, valor já equivalente ao registrado em todo o ano de 2011.

 

CORTES DE CUSTOS
A empresa pretende reduzir custos operacionais para realizar novas aquisições apenas com a geração de caixa próprio, sem emissão de novas ações.
A redução de curtos da companhia deve acontecer, diz Scavazza, de maneira contínua ao longo dos próximos quatro anos. Isso porque, diz o executivo, o padrão de curso da Anhanguera deve se consolidar em universidades adquiridas pela companhia.

 

“Conforme as turmas com currículo antigo das universidades adquiridas se formam, os calouros chegam com o currículo Anhanguera, mais barato e de rentabilidade maior”, explica o executivo.

Entre as explicações para o custo mais baixo nos currículos novos, o executivo destacou o uso de plataformas virtuais tanto para ensino quanto para a realização de serviços nas secretarias das faculdades.

 

Fonte: Dayanne Sousa – Agência Estado – 14/12/2012

Got anything to say? Go ahead and leave a comment!

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Newsletter

E-mail:

Inscrever
Desinscrever

Publicidade