Na Rota da Excelência

nov 14, 2011 by     No Comments    Posted under: Destaque, Indicadores

Um novo ranking de universidades brasileiras revela o bom ensino em instituições menores, mais especializadas e, não raro, distantes dos grandes centros

 

Pouca gente provavelmente ouviu falar na Faculdade Arquidiocesana de Mariana, em Minas Gerais, ou da gaúcha Palotina. Pois ambas figuram no topo de um ranking inédito de universidades que além de reforçar notórios redutos de bom ensino, derrama luz sobre um grupo desconhecido de altíssimo nível.

 

O retrato da excelência que se depreende daí é bem diferente do traçado pelo Ministério da Educação (MEC). Enquanto o termômetro oficial dá uma nota a cada instituição com base em um balaio de variáveis que compreende até a opinião dos alunos acerca da faculdade, o novo medidor se atém ao principal – o desempenho na sala de aula. Ele é o produto da média aritmética de todas as notas alcançadas pelos jovens de uma mesma instituição no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). O MEC já faz isso por curso, mas não para o conjunto da Universidade.

 

Essa nova aferição traz, logo de saída, uma constatação surpreendente, para a qual chama atenção o economista Claudio de Moura Castro; articulista de Veja e coordenador do trabalho “Faculdades menores e mais especializadas estão se consolidando por todo o pais, aparecendo à frente até das federais”.

 

 

 

É curioso notar que, entre as 100 melhores universidades, 65 são particulares, algo que os rankings oficiais já sinalizavam – mas que o atual enfatiza com números jamais vistos. Eles dão a dimensão do avanço bem recente de um conjunto de instituições que antes patinava na zona do mau ensino (onde muitas lembre-se, ainda estão). É verdade que 77% das matriculas no Brasil se concentram no setor privado, daí ser esperado mesmo que a maioria das campeãs saia desse grupo. Ainda assim, o resultado é contundente por quebrar alógica anterior, em que praticamente só as públicas ficavam no topo. Trata-se de um reflexo do acirramento da guerra por alunos, que força melhorias.

 

“Fizemos uma varredura no quadro de professores e contratamos para o lugar dos que saíram só gente com bom mestrado e Ph.Ds. para ensinar na graduação”, conta Carlos César Bandeira, de 65 anos, reitor da Faculdade
do Maranhão
(Facam) em São Luís, a mais bem posicionada do estado, que avalia: “Sem isso, logo desapareceríamos”.

 

O novo ranking também alça o time das melhores duas instituições federais que, em alguma medida, guardam semelhanças com universidades estrangeiras de alto nível – o Instituto Militar de Engenharia (IME, o 3º lugar da lista), com sede no Rio de Janeiro, e o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA, na 6ª posição), em São José dos Campos.

 

Ainda com base em dados do MEC, a pesquisa encabeçada por Moura Castro mediu quanto cada universidade soma de conhecimento aos estudantes nos quatro ou cinco anos de estudos. É algo possível por meio de um cálculo estatístico que permite comparar o resultado da turma que ingressa com o daquela que se forma. Pois é aí que o desempenho dos dois institutos mais espanta. Com peneiras para a seleção de alunos que chegam a registrar noventa candidatos para uma única vaga, eles dão a largada com os melhores cérebros – um patamar já muito elevado do qual é naturalmente mais difícil avançar. Mas conseguem de forma admirável.

 

O fato de as grandes universidades federais não aparecem entre as primeiras do ranking de Moura Castro não significa que elas não oferecem alguns dos melhores cursos do país. Quer dizer apenas que a qualidade ali varia de um curso para outro, o que é, até certo ponto, de esperar em instituições maiores. O que não se sabe até então é que a excelência vem se revelando também longe dos grandes centros, em pequenas e desconhecidas instituições que brotam no setor privado. Nesse sentido, o novo ranking presta um serviço de valor, já que trata de tirar do anonimato uma ilha de alto nível que destoa no ainda atrasadíssimo ensino superior brasileiro.

 

 

Fonte: Veja – Sandra Brasil

09/11/2011

Deixe uma resposta

Newsletter

E-mail:

Inscrever
Desinscrever

Publicidade