Pós-graduação a distância cresce 60%

set 19, 2011 by     1 Comment     Posted under: Notícias

O número de pós graduações “lato sensu” a distância subiu 60% no país de 2008 a 2010, segundo a Abed (Associação Brasileira de Ensino a Distância) e levantamento do MEC (Ministério da Educação) feito a pedido da Folha.

Até agosto deste ano, havia 51 instituições credenciadas para oferecer esses cursos. Em 2008, eram 32. “A menor regulação do MEC é um dos principais fatores do crescimento”, diz Ricardo Holz, presidente da ABE-EAD (associação dos estudantes de ensino a distância).

A Universidade Aberta do Brasil, de acordo com o MEC, oferece o único curso a distância “strictu sensu” –que são cursos como mestrado e doutorado, por exemplo –do país, para professores de matemática.

A universidade agrega 90 instituições públicas para a oferta de cursos de EAD. O sistema UAB, cita Holz, recebeu nota 3 dos alunos, de um índice de 0 a 5, em pesquisa relativa a 2010. “As principais reclamações são sobre infraestrutura, atendimento e acesso a tecnologia.”

SUBSÍDIO
As empresas que oferecem treinamentos a distância são mais propícias a subsidiar pós-graduação nessa modalidade para funcionários.

“Essa adesão [ao ensino a distância] depende muito da política de treinamento da instituição”, explica Eleonora Jorge Ricardo, presidente da Anitec (Associação Nacional de Inovação, Trabalho e Educação Corporativa).

Segundo ela, quando a empresa entende a efetividade dos cursos a distância, a aceitação de funcionários graduados ou especializados por esse meio aumenta.

Para o analista de negócios Valter Sanches Gonçales Filho, 32, o fato de a empresa onde trabalha em São Paulo investir em treinamento a distância o ajudou a obter subsídio de cerca de 45% na mensalidade do MBA Executivo em Gestão de Negócios a distância que faz no Ibmec.

Sem tempo para cursar uma especialização presencial, a escolha pelo curso a distância, diz, “foi natural”. “O custo e a flexibilidade me atraíram”, afirma Filho.

O preço também pesou para Eduardo Seiji Maruo, 33, ao optar pelo MBA da FGV Online: “É quase metade do valor do curso presencial”.

Maruo afirma não ter enfrentado dificuldades para conseguir subsídio de quase 50% da empresa. “Não houve objeção”, conta.

Para Vladimir Valladares, diretor da V2 Consulting, obter o apoio da empresa independe da modalidade do curso. O mais importante, diz, é “verificar se agregará algo ao que ele [funcionário] faz”.

A presença recente de instituições consideradas de primeira linha na modalidade EAD (ensino a distância) também reforça o argumento dos funcionários e os ajuda a conseguir subsídio, ressalta Eleonora, da Anitec.

CRESCIMENTO
Na FGV, há 14 MBAs a distância, implantados a partir de 2003. “Esses cursos incentivam a [ter] disciplina”, frisa Stavros Xanthopoylos, diretor da FGV Online.

No Ibmec, são 17 MBAs e duas pós a distância, iniciados a partir de 2009 e destinados principalmente a empresas, afirma Patricia Alberton, gerente de educação a distância e “in company”.

“O profissional [que escolhe EAD] quer a aplicação do [conhecimento] acadêmico à prática”, diz. A Trevisan tem um curso de gestão aplicada ao esporte, lançado em 2010.

RESISTÊNCIA RONDA O MERCADO
A psicopedagoga Amanda Castanheira, 33, faz pós a distância na PUC (Pontifícia Universidade Católica) sobre ensino a distância. Mas ela sente certa “resistência em acreditar que [o EAD] funciona” por parte da chefia da escola onde trabalha.

“Na lei atual, o peso [entre os diplomas] é igual, mas ainda há discriminação”, diz Eleonora, presidente da Anitec.

Números da Abed não confirmam isso: em 2008, 75% das empresas que praticavam educação corporativa disseram não fazer distinção entre futuros funcionários formados a distância ou presencialmente. O percentual subiu para 82% em 2009.

Fonte: folha.com.br

1 Comment + Add Comment

  • O Brazil tem potencial tecnologico para expandir a educacao a nivel nacional e internacional e nao so` dentro das empresas e isso e` muito bom.
    Toda universsidade ou faculdade que nao se utilizar desses recursos com certeza vai perder mercado para as que se utiliza desses recursos.

Got anything to say? Go ahead and leave a comment!

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Newsletter

E-mail:

Inscrever
Desinscrever

Publicidade