Professor da UFRJ aplica prova por Twitter

jul 7, 2011 by     No Comments    Posted under: Destaque, Notícias, Redes Sociais

A paralisação dos servidores técnico-administrativos da universidade levou Marcelo Coutinho a apelar para algo que os alunos conhecem bem: passou a prova final utilizando as redes sociais

 


 

Um professor do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) encontrou na internet a solução para contornar a greve dos servidores técnico-administrativos. Com o final do semestre se aproximando, e tendo que aplicar sua última prova aos alunos, o professor Marcelo Coutinho, sem poder nem entrar na sala de aula – os prédios da faculdade estão fechados por causa da paralisação –, resolveu apelar para “o último recurso possível”: realizou sua prova final pelo Twitter.

 

 

Por volta das 17h30 do dia 28 de junho, Coutinho postou em sua conta: “Aí vai a questão da prova de Introdução às Relações Internacionais. Uma única questão, dividida em duas partes e dois tweets seguintes.” Logo em seguida, veio a questão e um pedido de análise. Coutinho pensou em uma pergunta mais reflexiva e complexa justamente para contornar o possível problema com a cola. “A própria questão foi pensada para que os alunos estudassem. São três autores complexos que obrigam eles a ler os textos passados em sala de aula. E o prazo que dei para responderem a prova foi de 48 horas, que não é muito comprido”, disse o professor.
A iniciativa foi bem recebida pelos alunos, que acharam a ideia de Coutinho uma grande inovação e sinal de modernidade. Sem que seu desempenho acadêmico fosse afetado pela greve, pela primeira vez muitos se disseram satisfeitos com a aplicação de uma prova. “Foi bem diferente já que nunca tinha feito uma prova pela internet, muito menos pelo Twitter. Também foi um pouco engraçado pela repercussão entre meus amigos e seguidores, que nunca tinham visto uma prova dessa forma”, afirmou a aluna Gabriela Tonelli, representante de classe do primeiro ano de Relações Internacionais.

“Os alunos estavam avisados há dias dessa prova e de como ela seria feita. Passei a questão por e-mail e logo em seguida postei em meu Twitter. Mesmo quem tivesse problemas com e-mail poderia acessar a minha conta”, disse Coutinho. A prova foi um comum acordo entre alunos e professor para que todos pudessem fechar o semestre sem ser afetados pelos grevistas. Mas Coutinho afirmou que o uso das mídias digitais em sua matéria é algo comum, instituído já desde o primeiro dia de aula. “Já no primeiro dia, quando entrego o programa da matéria, vai junto um papel com minha conta no Twitter, e-mail e contas em outras redes sociais”, disse.

A ideia do professor foi bem aplicada, segundo seus alunos. Segundo ele, são todos jovens na faixa dos 20 anos, familiarizados com a internet e conectados o tempo todo. A interação aluno-professor pelo meio online acabou agradando a todos e tornando a própria aula de Coutinho mais interessante e dinâmica. “Os contatos online são uma forma muito rápida de comunicação. O professor pode, por exemplo, avisar se ocorrer algum imprevisto, como não haver aula naquele dia. A prova da utilidade e importância desses contatos foi justamente a avaliação pelo Twitter”, afirmou Gabriela.

“Eles são alunos muito modernos. Leem em outras línguas, são cultos, usam iPads, internet, e são conectados. A tecnologia é algo natural para eles. O que impressionou também foi a própria prova, uma avaliação formal, ter chegado a essa tecnologia”, disse Coutinho.

Atento à liberdade que a rede dá aos alunos para copiar trechos, Coutinho limitou o tamanho da prova a três páginas e pediu para que todas fossem entregues redigidas à mão e pessoalmente ou por procuração. “Isso impede que o aluno misture coisas, tire informações de outros lugares. Trabalhos muito grandes podem misturar essas influências indevidas, que acabam passando desapercebidas”, disse.

Os alunos também concordaram com as regras. “Acho que as regras foram justas, até mesmo no caso da procuração. Não deixam de ser uma forma de garantir que a própria pessoa tenha feito sua prova e de evitar que alguém por qualquer motivo desonesto quisesse prejudicar outro aluno”, afirmou Gabriela.

 

Apesar de estabelecer que cópias comprovadas receberiam um zero, Coutinho deixou seus alunos livres para conversar entre si e com outras pessoas mais experientes. Claro, isso dificilmente seria controlado com uma proibição, mas o professor afirmou que acha essa interação, característica da geração dos alunos, produtiva. “Acho bom que eles troquem ideias. Eu sei que eles procuraram as turmas dos semestres mais avançados para pedir ajuda. Acho isso ótimo. Acaba havendo uma dinâmica de interação que me parece ótima!”

 

Por conta da greve, a assessoria de imprensa da UFRJ não passou uma posição sobre a iniciativa do professor, mas Coutinho afirma que “cada professor tem liberdade para aplicar a prova como quiser” e, portanto, sua avaliação será válida como qualquer outra, não podendo haver reclamação por parte dos alunos.

 

“Eu optei por realizar a prova dessa forma. Mantive a avaliação tradicional, com questões a que meus alunos já estavam habituados, e preservei a característica do curso. Só que isso com a novidade de poder fazer a prova em casa, pelo computador, usando a internet”, disse Coutinho.

 

E quem não conseguir obter nota mínima e ficar para uma terceira avaliação? O professor Marcelo Coutinho disse que ainda não pensou no assunto, mas se a UFRJ continuar em greve, certamente usará as ferramentas online de novo.

 

No fim, claro, resta a pergunta: será que os alunos preferem as provas online ou gostam mais do método tradicional? “Gostei de fazer a prova pelo Twitter por ter sido uma forma prática de resolver o nosso problema com a greve, mas certamente eu prefiro uma prova presencial. Ela obriga o aluno a resolver a prova com os seus conhecimentos no momento. Acho que dessa forma fica mais fácil medir quem realmente se esforçou e estudou”, afirmou Gabriela.

 

 

Fonte: Lucas Hackradt – Revista Época

30/06/2011

Got anything to say? Go ahead and leave a comment!

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Newsletter

E-mail:

Inscrever
Desinscrever

Publicidade