USP festeja 100 mil mestrados e doutorados

jul 5, 2011 by     No Comments    Posted under: Destaque, Notícias

Maior universidade da América Latina trabalha agora para melhorar qualidade dos programas

 No ano em que completa 77 anos, a Universidade de São Paulo (USP), maior instituição de ensino superior da América Latina, comemora o total de 100 mil títulos de pós-graduação, entre mestrados e doutorados. Com o feito, agora a universidade se volta para a necessidade de discutir novos critérios para aprimorar a qualidade dos programas.

O número de 100 mil títulos se refere apenas aos trabalhos registrados após 1969, quando surgiram os padrões para a pós-graduação do País. Ficam de fora dessa contagem, portanto, inúmeras personalidades que obtiveram o reconhecimento acadêmico antes daquele ano, mas ajudaram a compor os cenários político, intelectual e científico do País, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, os literatos Antonio Candido e Alfredo Bosi, o economista Antonio Delfim Netto, o jurista Miguel Reale Júnior, o geneticista Crodowaldo Pavan e o cardiologista Adib Jatene, entre outros.

>

A universidade – que hoje abriga 56 mil estudantes de graduação e 22 mil de pós-graduação – vai realizar um grande evento em outubro, quando o marco simbólico dos 100 mil títulos será atingido. Do total, 53% são mestrados e 47%, doutorados. A unidade que mais produziu títulos – 9,5% – foi a Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

“Os números, embora importantes, devem ser acompanhados por qualidade contínua e crescente”, afirma o reitor da USP, João Grandino Rodas. Segundo ele, “a tendência é exigir mais dos alunos, visando à formação ampla dos titulados”.

> 

 >

Reflexão. O pró-reitor de pós-graduação Vahan Agopyan afirma que o momento é de reflexão.

 “Estamos com um modelo antigo, da década de 1960″, destaca. “Precisamos nos questionar: queremos formar doutores só para alimentar a universidade ou para termos recursos de alto nível para o desenvolvimento do País?”

>

Até agora, nenhum pesquisador titulado pela USP faturou um Prêmio Nobel. Contudo, alguns já receberam homenagens equivalentes em áreas que não são contempladas pela academia sueca. O físico José Goldemberg, por exemplo, recebeu em 2008 o Blue Planet, principal homenagem aos benfeitores do meio ambiente. Dois anos antes, Paulo Mendes da Rocha recebeu o Pritzker, prêmio mais importante da arquitetura mundial. E o reitor João Grandino Rodas recorda que o principal candidato brasileiro a um Nobel é o neurocientista Miguel Nicolelis – um “uspiano” que não economiza críticas à própria USP.

>

Para os titulados, o marco de 100 mil trabalhos de pós-graduação guarda histórias e sentimentos de gratidão à universidade. “Tenho 30 anos de USP”, conta o ministro da Educação, Fernando Haddad, que fez a graduação, o mestrado e o doutorado na área de Direito. “Eu me sinto, mais do que tudo, um uspiano. Entrei com 18 anos e nunca mais saí da USP – e ela também não saiu mais de mim.”

>

A vida do geógrafo Aziz Ab”Saber também sempre orbitou ao redor da USP. Lá ele descobriu sua paixão pela geografia e se tornou uma referência, dentro e fora do Brasil, quando o assunto é impacto ambiental da ação humana. Recorda sorrindo que, em 1946, foi contratado como jardineiro pela universidade. A ideia foi de um professor. “Era um jeito de eu manter um pé na USP”, afirma.

>

O casal Victor e Ruth Nussenzweig, responsáveis pelas principais descobertas que poderão levar a uma vacina contra a malária, iniciaram suas carreiras na Faculdade de Medicina da USP. Lá, fizeram o doutorado. Victor recorda a grande liberdade de que gozavam para pesquisar em uma faculdade ainda em criação. “Não tive um orientador de doutorado”, recorda. “Naquela época, a tese dependia muito mais do aluno.”

>

Fonte: Estadão

19/06/2011

Deixe uma resposta

Newsletter

E-mail:

Inscrever
Desinscrever

Publicidade